Número verde: 800 108 675

Lastro - ID1013
Lastro Lastro
Mosteiro São Bento da Vitória
qui 21:00

“O céu pode cair e seria a última coisa que poderíamos prever.” É sob a ameaça de uma catástrofe iminente e impensável que Lastro de Né Barros acontece. Poucas semanas depois de apresentar a estreia absoluta de Muros, a mais recente criação da coreógrafa portuense, o TNSJ acolhe a reposição deste espetáculo anterior que ocorre sob um céu estranho: um imenso pano celeste sob o qual os corpos em movimento criam um lugar teatral, um lugar em mudança, um lugar feito de memória. São corpos que repetem para resistir ao final que se imagina, para fazer com que algo perdure, mas toda a catástrofe produz o seu ocultamento, a sua desaparição… Inspirado nas teses de Jean-Luc Nancy sobre a “equivalência das catástrofes”, Lastro regressa agora no contexto de uma conferência promovida por institutos de investigação das Faculdades de Letras e Belas Artes da Universidade do Porto, na qual o filósofo francês tomará parte, mostrando-nos um lugar teatral como uma zona de perigo e um espaço de abandono.

direção e coreografia

Né Barros

música

Gustavo Costa

cenografia

Cristina Mateus

desenho de luz

José Álvaro Correia

maquinista

Filipe Silva

produção executiva

Joana Amorim

Lucinda Gomes

interpretação

Bruno Senune, Camila Neves, Elisabete Magalhães, Flávio Rodrigues, Gonçalo Cabral, Joana Castro, Pedro Rosa, Sónia Cunha e Angélica Vasquez (harpa), Cristina Mateus (bombo)

coprodução

Balleteatro, Culturgest, Teatro Municipal do Porto

estreia

29Out2016 Teatro Municipal do Porto

dur. aprox.

1:00

M/12 anos

Espetáculo apresentado no âmbito da conferência Pensamento e Catástrofe – Aproximações a Jean-Luc Nancy (18 a 20 de maio), numa iniciativa conjunta do Instituto de Filosofia – Aesthetics, Politics and Knowledge Research Group (FLUP) e do i2ADS (FBAP) da Universidade do Porto, seguido do lançamento dos Nanocadernos, publicação associada ao evento.