Número verde: 800 108 675

Se Alguma Vez Precisares da Minha Vida, Vem e Toma-a - ID974
Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a
Theatro
Circo
(Braga)

Criador nómada, que vem cruzando muito livremente os territórios do teatro e da dança, Victor Hugo Pontes detém-se sobre o enredo e as personagens de A Gaivota – peça de Anton Tchékhov cujo êxito a converteu em emblema do próprio Teatro de Arte de Moscovo – para pô-los a dançar. Contra a imagem estereotipada de um teatro letárgico, habitado por criaturas desvitalizadas, Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a despoja a ação das palavras de Tchékhov e explora essa “imensa vitalidade” que Peter Brook detetou na obra do dramaturgo russo, cuja ironia e desencanto não excluem o amor ou a alegria. O amor é, aliás, um dos núcleos sensíveis da nova criação de Victor Hugo Pontes (ecoando a convicção íntima da Nina de A Gaivota: “Eu acho que numa peça deve sempre haver amor…”), a par da demanda de “novas formas” advogada por Tréplev, o jovem aspirante a poeta… Corolário de uma longa convivência do coreógrafo com Tchékhov – prestou apoio ao movimento na trilogia tchekhoviana de Nuno Cardoso (2008-2011) e encenou o monólogo Os Malefícios do Tabaco no TeCA (2010) –, Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a coreografa as evasões e os impasses, os idílios e os becos sem saída, destas criaturas demasiado humanas.

a partir de

A Gaivota, de Anton Tchékhov

direção e coreografia

Victor Hugo Pontes

cenografia

F. Ribeiro

desenho de luz e direção técnica

Wilma Moutinho

música original

Rui Lima, Sérgio Martins

apoio dramatúrgico

Madalena Alfaia

assistência de coreografia

Marco da Silva Ferreira

direção de produção

Joana Ventura

interpretação

Allan Falieri, Ángela Diaz Quintela, Daniela Cruz, Félix Lozano, Jorge Mota, Leonor Keil, Marco da Silva Ferreira, Valter Fernandes, Vera Santos

bailarino estagiário

Afonso Cunha

coprodução

Nome Próprio, Centro Cultural de Belém, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Viriato, TNSJ

apoio residência artística

Novo Ciclo ACERT, O Espaço do Tempo

apoio

Clube Português de Cinematografia - Cineclube do Porto

estreia

4Fev2016 Centro Cultural Vila Flor (Guimarães)

dur. aprox.

1:45 com intervalo

M/12 anos