In memoriam Argentina Santos

**Pisou pela primeira vez o palco do Teatro Nacional S茫o Jo茫o em 1997, e foi uma das vozes de fado convocadas por Ricardo Pais em Ra铆zes Rurais, Paix玫es Urbanas, o retrato cantado e dan莽ado de um pa铆s musical chamado Portugal. Em Paris, onde o espect谩culo se estreou, na Cit茅 de la Musique, o cr铆tico do Lib茅ration escreveu que o fado de Argentina era 鈥減erigoso, arriscado鈥, e que lhe recordava 鈥渁lgumas s煤plicas da diva 谩rabe Oum Khalsoum鈥. O in茅dito jeito e g茅nio de Argentina haveria de visitar-nos mais duas vezes, em Regressos (2004), ao lado de Caman茅, e em Cabelo Branco 茅 Saudade (2005), ao lado de, entre outros, Celeste Rodrigues. Ricardo Pais, que a dirigiu nestes espect谩culos, falava assim da sua 煤nica e apaixonante t茅cnica de 鈥渆stilar鈥: 鈥淯sa jogos de varia莽茫o do mais l铆rico agudo ao mais espesso grave 鈥 pequenas espirais que come莽am na dor a meio do corpo e depois, no sil锚ncio das guitarras, sobem e se suspendem na mais er贸tica e imponder谩vel religiosidade.鈥 Argentina Santos n茫o gostava que lhe colassem o r贸tulo de 鈥渇adista鈥 ou de 鈥渃antadeira鈥. Dizia ela: 鈥淕osto que digam: 鈥樏 Argentina, canta. Canta um fadinho鈥.鈥