O primeiro dia

IN脢S NADAIS*

Meio ano antes de me ter tornado espectadora de teatro, Roberto Quaglia, um peculiar autor italiano de fic莽茫o cient铆fica que inesperadamente se atravessou no caminho deste texto e mais inesperadamente ainda se transformou de uma linha para a outra na minha alma g茅mea, assistiu, desprevenido, 鈥渁 uma representa莽茫o de As Tr锚s Irm茫s, de Tch茅khov, na vers茫o do encenador lituano Eimuntas Nekrosius鈥. Digeriu a experi锚ncia semanas depois na coluna Pensiero Stocastico, que ent茫o mantinha na revista Delos 鈥 um artigo em que teria defendido que 鈥渙 teatro n茫o s贸 n茫o tem nenhum futuro, como nem sequer tem um presente鈥, caso Eimuntas Nekrosius n茫o se tivesse inesperadamente atravessado no seu caminho.

As quatro horas que, desprevenido, passou nessa noite com aquela prodigiosa encena莽茫o de Eimuntas Nekrosius, e as outras quatro que, j谩 prevenido, voltou a passar com ela tr锚s dias depois, induziram-lhe um transe de mais de 25 mil caracteres que, como diligente alma g茅mea, at茅 me ficaria bem reproduzir integralmente. Por falta de espa莽o 鈥 e tamb茅m por um certo escr煤pulo autoral, constrangimento que, dadas as excepcionais circunst芒ncias c贸smicas do meu encontro com Roberto Quaglia, admito ser um pouco menos impositivo 鈥, apropriar-me-ei apenas da passagem em que mais nitidamente me vi ao espelho: 鈥淣茫o sou particularmente dado 脿s liturgias, mas compreendi que teria podido assistir e voltar a assistir 脿quele espect谩culo todos os dias, por muito tempo 鈥 por toda uma fase da minha vida.鈥

Ao contr谩rio de Roberto Quaglia, s贸 mergulhei uma vez no 鈥渘irvana鈥 que para ele imediatamente passaram a constituir aquelas quatro horas (sabe-se l谩 com que futilidade me terei ocupado no dia seguinte, um s谩bado, enquanto decorria a segunda e 煤ltima r茅cita de As Tr锚s Irm茫s no Porto; mas convencionemos que o espect谩culo estava esgotado, o que provavelmente at茅 茅 exacto). E, ao contr谩rio de Roberto Quaglia, quando me sentei no meu p茅ssimo lugar de segundo balc茫o (onde tardiamente, como a minha alma g茅mea, me apercebi de que se seguiriam quatro horas de 鈥渦m drama que n茫o conhecia nem percebia numa l铆ngua incompreens铆vel鈥, o lituano), n茫o tinha grandes ideias sobre o passado, o presente e o futuro do teatro. Na verdade, n茫o tinha qualquer ideia, por pequena que fosse, sobre teatro 鈥 apenas a simpl贸ria obriga莽茫o de entregar um trabalho de grupo ao professor da cadeira de Laborat贸rio de Jornalismo, e uma amiga genial que achou que o PoNTI, o novo festival da cidade, dava um bom assunto.

Quatro horas depois, n茫o s贸 t铆nhamos de facto um bom assunto (dois ou tr锚s minutos da pe莽a gravados 脿 socapa, dois ou tr锚s depoimentos de espectadores em 锚xtase, dois ou tr锚s apartes exclusivos de uma das actrizes) como sab铆amos pronunciar impecavelmente o nome da Olga de Eimuntas Nekrosius: Dalia Micheleviciute. E eu tinha-me tornado, com 21 anos de atraso, e por mero acaso, espectadora de teatro.

Epif芒nico, esse primeiro de cinco encontros com a tot茅mica cabe莽a rapada de Eimuntas Nekrosius foi da ordem da convers茫o. Cabe莽a e entranhas revolvidas por uma met谩fora avassaladora, um enorme tampo de mesa a rodar, fatal como o destino, em cima do palco, esmagando o desejo de tr锚s raparigas vindas do in铆cio do s茅culo, Olga, Macha (Aldona Bendori奴t臈, por quem me apaixonei 脿 primeira vista) e Irina (Viktorija Kuodyt臈) 鈥 e dando de uma assentada um passado, um presente e um futuro 脿 minha at茅 ent茫o inexistente hist贸ria com o teatro. Nela vieram depois a caber as delicadas 谩rvores 脿s costas de Macbeth; a inesquec铆vel banda sonora da cena final de Otelo; o primeiro beijo de Esta莽玫es, fulgurante constru莽茫o burlesca que vi a ganhar forma e espessura nos ensaios; e, finalmente, os sombrios ber莽os de Idiotas, que no Ver茫o passado revi, com a devo莽茫o de um miraculado, numa exposi莽茫o p贸stuma em N谩poles, onde Eimuntas Nekrosius, entretanto fulminado por um ataque card铆aco, n茫o chegou a estrear o seu 脡dipo em Colono.

Fui desde o primeiro dia, 12 de Dezembro de 1997, uma espectadora de teatro terrivelmente mimada.

*Jornalista

_

12+13 Dezembro 1997
Teatro Nacional S茫o Jo茫o

AS TR脢S IRM脙S

de Anton Tch茅khov
encena莽茫o Eimuntas Nekrosius
produ莽茫o LIFE-Festival Internacional de Teatro da Litu芒nia
Festival PoNTI

_

in O Elogio do Espectador: 100 espet谩culos, 100 testemunhos, 100 fotografias
Cadernos do Centen谩rio | 1

_

fotografia Jo茫o Tuna