Um bailado de p谩ssaros nas folhas de um lago

JO脙O PAULO SOUSA*

No in铆cio, havia a 谩gua, a invadir lentamente o palco, ou talvez n茫o no in铆cio, mas a sua presen莽a tornou-se t茫o forte que retroactivamente se imp么s, se assumiu como dominante. A 谩gua era uma presen莽a f铆sica, vis铆vel, aud铆vel, que trazia consigo a mem贸ria de Veneza; contudo, era tamb茅m uma met谩fora, porque impunha limites aos movimentos das personagens, obrigava-as a desenharem arriscadas coreografias, a encenarem uma dan莽a inst谩vel, e, nessa teia l铆quida em que as aprisionava, no desequil铆brio f铆sico a que as submetia, prolongava o desajuste relacional em que se envolviam. Algumas personagens mentiam e tra铆am, denunciavam-se 脿 nossa frente, e quase ao mesmo tempo 鈥 ou talvez at茅 em simult芒neo 鈥 desenhavam delicadas coreografias, tra莽avam volutas a茅reas, 脿 beira de uma queda cada vez mais previs铆vel, por茅m sempre adiada. Os sapatos de Dom M谩rcio pousavam leves numa mesa, para da铆 serem retirados, e de novo se erguerem a um patamar onde nunca haviam de se fixar; os sapatos de Dom M谩rcio compunham um bailado envolvente, quase marginal em rela莽茫o 脿 dan莽a dos corpos 鈥 bem ancorado, no entanto, na mem贸ria de quem viu o espect谩culo 鈥, nesse centro de onde tudo irradiava e para onde tudo convergia: o caf茅, ou o verdadeiro protagonista da pe莽a de Carlo Goldoni.

Era tamb茅m no centro, mas do palco, que se erguiam cubos pretos (seria talvez mais rigoroso falar de um m贸dulo cenogr谩fico, por茅m a mem贸ria imp玫e imagens, n茫o conceitos), t茫o admiravelmente aptos a serem retirados de cena, para depois regressarem, com uma nova e surpreendente efic谩cia, como um espa莽o em permanente muta莽茫o.

Durante mais de duas horas, no entanto, o centro do mundo era o caf茅. Para a铆 convergiam todos, a come莽ar pelo seu dono, que chegava por uma porta lateral, de acesso dos espectadores 脿 sala, decerto a sugerir que todos n贸s 鈥 os privilegiados, os que assist铆amos 鈥 est谩vamos na esplanada, num lugar de caracter铆sticas 煤nicas para se assistir a um desfile de dramas humanos. Como n茫o sorrirmos, ent茫o, diante do maldizente Dom M谩rcio (inesquec铆vel Ivo Alexandre), ao ser-nos dado a perceber o prazer infantil que lhe advinha de provocar, ou intensificar, os equ铆vocos da pe莽a? E como n茫o pensarmos em Jacques Tati 鈥 em Playtime, sobretudo 鈥 ao presenciarmos os subsequentes encontros e desencontros visuais, cuja complexidade desafiava t茫o regularmente a nossa aten莽茫o?

A 谩gua, contudo, n茫o nos abandonava; pelo contr谩rio, impunha cada vez mais a sua presen莽a, ao ponto mesmo de serem acrescentados pequenos estrados ao cen谩rio. Ficava, assim, constru铆do um corredor irregular, inst谩vel 鈥 rigoroso eco das rela莽玫es humanas nesta pe莽a 鈥, por onde os actores se viam for莽ados a caminhar, em movimentos 脿 beira do desequil铆brio, com amea莽as de queda iminente. 脡 um bailado de p谩ssaros nas folhas de um lago, terei pensado, e a leveza assim expressa emergia do estado calamitoso em que as personagens pareciam afundar-se, com as roupas j谩 quase todas molhadas, e os saltos, de estrado em estrado, tornavam-se na 煤nica possibilidade que lhes era conferida de preservarem alguma correc莽茫o, alguma dignidade aparente. A instabilidade assim exposta, por茅m, era o outro lado da extraordin谩ria capacidade de adapta莽茫o daquelas figuras, que haviam de expulsar o maldizente Dom M谩rcio de cena, levando-o, na sua fuga, a tamb茅m usar uma das portas de acesso dos espectadores 脿 plateia, como se aquela sa铆da fechasse o ciclo iniciado, mais de duas horas antes, com a chegada do dono do caf茅. Fechava-se inquestionavelmente o ciclo, mas subsistia a alegria das personagens ainda em cena, e subsistia sobretudo a 谩gua, que, de resto, nunca nos deixara. Alcan莽ada a tranquilidade para quase todos, tamb茅m a 谩gua podia repousar, pacificada, no fim.

*Professor.

_

25 Janeiro 鈥 24 Fevereiro 2008
Teatro Nacional S茫o Jo茫o

O Caf茅

de Carlo Goldoni
encena莽茫o Giorgio Barberio Corsetti
produ莽茫o Teatro Nacional S茫o Jo茫o

_

in O Elogio do Espectador: 100 espet谩culos, 100 testemunhos, 100 fotografias Cadernos do Centen谩rio | 1

_

fotografia Jo茫o Tuna