Obra-vida-viva

Gon莽alo Amorim*

Costumo dizer que Um Museu Vivo de Mem贸rias Pequenas e Esquecidas, da Joana Craveiro e do Teatro do Vestido, 茅 o mais importante espect谩culo do teatro portugu锚s dos 煤ltimos 10 anos, e provavelmente a mais marcante obra dos criadores e criadoras da minha gera莽茫o. Programei-o no FITEI de 2015, como o espect谩culo-epicentro de uma curadoria que pretendia lan莽ar um olhar cr铆tico sobre a cria莽茫o contempor芒nea dos artistas nascidos em Portugal nos anos 70 do s茅culo XX, comummente identificados como os 鈥渇ilhos da revolu莽茫o鈥.

Recordo-me da bancada montada em cima do palco do Teatro Nacional S茫o Jo茫o, cheia, e do entusiasmo e nervoso miudinho dos espectadores, pois 铆amos come莽ar a assistir a um acontecimento que durava mais de cinco horas, com jantar pelo meio (pataniscas com arroz de feij茫o). Causa sempre perplexidade ver uma sala cheia para assistir a cinco horas de teatro. O que eu n茫o esperava era que o p煤blico permanecesse na sala perto de duas horas, j谩 depois do final da obra, 脿 conversa com a Joana Craveiro e o Manuel Loff (esta conversa final 茅 uma exig锚ncia da artista, mas percebe-se rapidamente que 茅 uma necessidade de quem assiste 脿 fun莽茫o).

As hist贸rias que a Joana vai contando durante este Museu s茫o as nossas, as dos nossos pais e av贸s, s茫o de pessoas que est茫o na plateia ou dos seus amigos, maridos, namorados. O seu exerc铆cio rigoroso, fruto de um trabalho de quatro anos, e afectuoso, vai-nos levando, pela sua colec莽茫o de depoimentos, livros e discos, expandindo o teatro para fora daquela sala, fazendo-o ressoar no tempo e no espa莽o, construindo e reconstruindo a nossa hist贸ria, descobrindo-a e revelando-a, num processo que acaba por ser do comum e do presente. A Joana 茅 parcial, mas atenta ao pormenor, s茅ria na pesquisa, comprometida com o humano, actriz/cientista louca: dominando os tempos de representa莽茫o e o pr贸prio ritmo do espect谩culo, domina tamb茅m o conte煤do. Ela 茅 uma das mestres, a n铆vel mundial, daquilo que se tem vindo a designar por teatro documental.

Este espect谩culo d谩-nos a perceber que os v谩rios caminhos que os artistas encontram para se exprimir em cena s茫o poss铆veis, e que uma obra de teatro documental pode ter interesse, para al茅m da moda em que o g茅nero se tornou, com os seus diversos e question谩veis suced芒neos. Quando uma obra teatral 茅 boa, mesmo boa, n茫o importa o g茅nero. E para que ela seja boa 茅 necess谩rio este n铆vel de comprometimento e qualidade t茅cnica que a Joana mostra nesta obra. S茫o necess谩rios rigor, amor ao teatro e 脿 palavra, nenhuma concess茫o no que respeita aos conte煤dos transmitidos, fidelidade 脿 proposta, unidade pl谩stica, sensibilidade e percep莽茫o do tempo em que o autor vive; n茫o para se servir dele, mas para o servir, e por isso transportando mais a d煤vida do que a certeza.

Um Museu Vivo de Mem贸rias Pequenas e Esquecidas 茅 uma obra intemporal, como as de Shakespeare (se quisermos: 茅 sobre os nossos 鈥渞eis鈥!), capaz de ser entendida por qualquer pessoa em qualquer parte do mundo, tais s茫o os pontos de contacto com a hist贸ria contempor芒nea de muitos pa铆ses. A performance not谩vel da Joana Craveiro 茅 tamb茅m um factor de empatia que entusiasma mesmo quem n茫o fala portugu锚s, como aconteceu com uma cr铆tica sueca e outra inglesa que assistiram ao espect谩culo no FITEI de 2015. As diversas distin莽玫es que tem recebido provam-no e o facto de em 2020 ainda ser representado, e ter circula莽茫o internacional, tamb茅m. Al茅m disso, 茅 um espect谩culo que pode ser enxertado, pois a documenta莽茫o que o Teatro do Vestido possui 茅 imensa. Estamos perante uma obra-vida-viva, por isso esta minha rendi莽茫o a uma das grandes criadoras do nosso tempo e 脿 sua equipa.

*Encenador, ator. Director art铆stico do Teatro Experimental do Porto e do FITEI.

_

11 Junho 2015
Teatro Nacional S茫o Jo茫o

Um Museu Vivo de Mem贸rias Pequenas e Esquecidas

dire莽茫o e interpreta莽茫o Joana Craveiro
coprodu莽茫o Teatro do Vestido, Neg贸cio/ZDB | XXXVIII Festival Internacional de Teatro de Express茫o Ib茅rica

_

in O Elogio do Espectador: 100 espet谩culos, 100 testemunhos, 100 fotografias Cadernos do Centen谩rio | 1

_

fotografia Susana Neves