Veneza, depois Belmonte

SALVADOR SANTOS*

Foram tantos, t茫o diversos e estimulantes os espet谩culos memor谩veis a que tive o grato prazer de assistir nos palcos do universo Teatro Nacional S茫o Jo茫o, que se tornou quase doloroso ter de optar apenas por um deles para um exerc铆cio de mem贸ria escrito em breves linhas. Acabei por optar por O Mercador de Veneza, de William Shakespeare, a 煤ltima encena莽茫o de Ricardo Pais enquanto diretor art铆stico desta magn铆fica Casa, que ele transformou, ap贸s dois per铆odos alternados de 鈥済est茫o鈥 de cinco e sete anos, num teatro nacional de refer锚ncia a n铆vel internacional. No fecho deste virtuoso ciclo a dois tempos, e no preciso momento em que o poder pol铆tico pedia que se fizesse 鈥渕ais com menos鈥 quando j谩 se fazia tanto com t茫o pouco, subia a cena uma hist贸ria de intrigas, numa sociedade onde 贸dios se misturam com rela莽玫es comerciais intrincadas, revelando a m谩 aceita莽茫o de uma classe incompreendida e malquista鈥

Num imaginativo cen谩rio de Pedro Tudela, composto por uma 鈥渇loresta鈥 de escoras de ferro oxidado pela passagem do tempo, uma negra parede 鈥淐asa-Tribunal-Espelho鈥 e um claro-escuro-brilhante-ch茫o-puzzle 鈥淏elmonte-Veneza鈥, recortado pelas cores vivas dos bel铆ssimos figurinos de Bernardo Monteiro, sucediam-se as mais inspiradas contracenas, apoiadas em articula莽玫es produtivas entre o corpo e o espa莽o, a voz e o som, a palavra e as suas diversas formas de reverbera莽茫o, superiormente iluminadas por uma paleta de ambientes e atmosferas criados pela sensibilidade de Nuno Meira e discretamente amplificadas e soberbamente tratadas sonoramente pelo talento de Francisco Leal, tendo por base temas musicais de V铆tor Rua. Nestas luminosas paisagens pl谩sticas e sonoras, os atores recriavam as imagens e as palavras de Shakespeare numa magn铆fica tradu莽茫o de Daniel Jonas.

Albano Jer贸nimo, Ant贸nio Dur茫es, Jo茫o Castro, Jorge Mota, Jos茅 Eduardo Silva, L铆gia Roque, Lu铆s Ara煤jo, Micaela Cardoso, Paulo Freixinho, Pedro Almendra, Pedro Frias, Sara Carinhas, Pedro Jorge Ribeiro e Pedro Manana formaram o conjunto de atores escolhidos para esta maravilhosa incurs茫o pelo universo shakespeariano, guiada pelo talento 煤nico de um dos mais imaginativos, l煤cidos e sens铆veis criadores teatrais europeus. E, neste espet谩culo, Ricardo Pais n茫o foi 鈥渁penas鈥 encenador, sendo tamb茅m respons谩vel, em parceria com o tradutor Daniel Jonas, por uma vers茫o livre da pe莽a, que assenta na concentra莽茫o na primeira parte de todas as cenas centradas no v铆nculo contratual entre o Mercador e o Judeu, ocorridas em Veneza, ao mesmo tempo que remete para a segunda parte as cenas que t锚m lugar em Belmonte, em torno de P贸rcia, do jogo dos cofres e da sua hist贸ria de amor com Bass芒nio.

A concentra莽茫o das cenas de Veneza e Belmonte em duas partes distintas, que reordena radicalmente a sequ锚ncia dram谩tica original, acaba por identificar claramente dois estilos liter谩rios distintos e quase opostos, ao mesmo tempo que acentua a densidade dos v谩rios dramas presentes nesta obra de Shakespeare. Na verdade, ao afastar-se, em termos de organiza莽茫o, do gui茫o original, o espet谩culo permite-nos leituras particulares das personalidades de cada uma das diversas personagens e das suas rela莽玫es com as demais, o que acaba por causar um grande impacto na compreens茫o da pe莽a e das m煤ltiplas pe莽as que a comp玫em. Isto sem nos desligar nunca do 鈥渄rama maior鈥, que op玫e Ant贸nio e Shylock (Mercador e Judeu), mostrando ambos de forma crua e denunciando a obscura hipocrisia da f茅 crist茫 e a impiedosa crueldade da finan莽a especulativa, que distorce mercados e sonhos.

Ainda hoje recordo, como se a vivesse de novo, a cena do tribunal revivida na mente de Ant贸nio, com o seu corpo sobreposto ao de Shylock, uma imagem que simboliza todas as formas de press茫o de todos os poderes sobre os que deles dependem, sem pudor ou raz茫o鈥

*Gestor, produtor cultural.

_

7-23 Novembro 2008
Teatro Nacional S茫o Jo茫o

O Mercador de Veneza

de William Shakespeare
encena莽茫o Ricardo Pais
produ莽茫o Teatro Nacional S茫o Jo茫o

_

in O Elogio do Espectador: 100 espet谩culos, 100 testemunhos, 100 fotografias Cadernos do Centen谩rio | 1
_

fotografia Jo茫o Tuna