O fundo de catálogo, do fundo do coração

Um fundo de cat√°logo n√£o √© um saco de restos. √Č um elogio ao que resta. Um contentor de preciosidades que a voragem das ‚Äúnovidades‚ÄĚ deixou fora de circula√ß√£o. Tem livros de autores de exce√ß√£o em tradu√ß√Ķes excecionais, tem deved√™s com registos videogr√°ficos de espet√°culos produzidos pelo TNSJ, tem at√© ced√™s com o nosso teatro radiof√≥nico. Um fundo de cat√°logo convida √† partilha e √† vadiagem. Seria um crime mant√™-lo fechado num armaz√©m, a cismar com os leitores e espectadores que lhe podiam tocar em sorte. Vamos desempacot√°-lo, dividi-lo por sacos e oferec√™-lo aos nossos Amigos. Mais: vamos lev√°-lo √†s suas portas. N√£o saiam de casa, estejam atentos √† campainha, suspendam a descren√ßa, h√° surpresas boas que nascem do fundo do cora√ß√£o.