AS PALAVRAS DE ANA LU脥SA AMARAL NO PALCO DO TEATRO S脙O JO脙O

As palavras de Ana Lu铆sa Amaral voltaram ao palco do Teatro S茫o Jo茫o. No passado dia 26 de novembro, o Teatro Nacional S茫o Jo茫o prestou um tributo 脿 poeta que tantas vezes colaborou connosco (em ensaios, confer锚ncias, semin谩rios, tradu莽玫es e textos).

A leitura encenada Diz Toda a Verdade Mas Di-la Obl铆qua 鈥 t铆tulo com origem num verso de Emily Dickinson, um dos autores que Ana Lu铆sa Amaral traduziu 鈥 incluiu poemas da pr贸pria Ana Lu铆sa Amaral, mas tamb茅m de Shakespeare, Louise Gl眉ck, Elizabeth Bishop ou John Updike, selecionados pela ensa铆sta (e amiga) Rosa Maria Martelo.

Os poemas foram lidos por atores do elenco de Bruscamente no Ver茫o Passado, a pe莽a de Tennessee Williams que Ana Lu铆sa Amaral traduziu para o Ensemble 鈥 Sociedade de Actores e que esteve pela primeira vez em cena no Teatro S茫o Jo茫o. A leitura foi dirigida por Afonso Santos e contou com a participa莽茫o de Em铆lia Silvestre, Marta Bernardes, Pedro Mendon莽a e Pedro Barros. A nova tradu莽茫o de Ana Lu铆sa Amaral da pe莽a Bruscamente no Ver茫o Passado foi publicada este m锚s pelo Teatro Nacional S茫o Jo茫o. O livro integra a cole莽茫o de textos dram谩ticos do TNSJ editada pelas Edi莽玫es H煤mus.

Ana Lu铆sa Amaral foi investigadora, professora, ensa铆sta, ficcionista, tradutora e, antes de mais e depois de tudo, poeta, 鈥減orque tinha mesmo de o ser鈥. Bruscamente, neste Ver茫o, perdemos de vista Ana Lu铆sa Amaral, mas as suas palavras continuar茫o, por muitas esta莽玫es ainda, a fazer-nos companhia, a servir-nos de exemplo.

28 de novembro de 2022