Teatro Nacional S√£o Jo√£o

Edifícios

P.CustomPages.sections.content

De 1798 a 2020, do Real Teatro de São João ao centenário Teatro Nacional São João, quantos teatros habitaram este Monumento Nacional que a cidade do Porto poisou a sul da Praça da Batalha?

Projetado pelo arquiteto e cen√≥grafo italiano Vicenzo Mazzoneschi, o Real Teatro de S√£o Jo√£o foi constru√≠do para dotar a ‚Äúsegunda cidade do Reino‚ÄĚ de uma ‚Äúbela escola de costumes e de civilidade‚ÄĚ. Inaugurado oficialmente no dia 13 de maio de 1798, foi o primeiro edif√≠cio constru√≠do de raiz no Porto exclusivamente destinado √† apresenta√ß√£o de espet√°culos. Seria destru√≠do por um inc√™ndio na noite de 11 para 12 de abril de 1908. No rescaldo da trag√©dia, uma testemunha ocular anotou as primeiras impress√Ķes: ‚Äú√Č desolador o aspeto do edif√≠cio, do qual apenas restam as paredes e atrav√©s de cujas portas e janelas se descortina a enorme ruinaria em que ficou transformada a nossa primeira sala de espet√°culos‚ÄĚ. No exato lugar desta ‚Äúruinaria‚ÄĚ haveria de erguer-se o edif√≠cio-monumento que hoje conhecemos.

Em outubro de 1909 √© lan√ßado um concurso p√ļblico para a sua reconstru√ß√£o, do qual sairia vencedor o anteprojeto assinado por Jos√© Marques da Silva. Considerado ‚Äúo √ļltimo arquiteto cl√°ssico e o primeiro arquiteto moderno do Porto‚ÄĚ, Marques da Silva convocou para o seu projeto um conjunto de formas e sinais que dialogavam com a mem√≥ria do edif√≠cio desaparecido. A forma√ß√£o estil√≠stica e metodol√≥gica absorvida na √Čcole des Beaux-Arts de Paris refor√ßou o fasc√≠nio pelos ‚Äúmodelos franceses‚ÄĚ, bem evidenciado por uma rigorosa e teatralizada articula√ß√£o de espa√ßos de acolhimento, transi√ß√£o e representa√ß√£o. O arquiteto conseguiu conjugar os valores de ostenta√ß√£o com os valores de efic√°cia, integrando com sucesso os aspetos puramente arquitet√≥nicos e os construtivos. Valer-se-ia de uma nova t√©cnica, com a utiliza√ß√£o do bet√£o na ossatura fundamental e as argamassas de cimento nos revestimentos. √Ä √©poca da sua inaugura√ß√£o, a 7 de mar√ßo de 1920, o Teatro de S√£o Jo√£o representava um compromisso entre a inova√ß√£o t√©cnica e a continuidade estil√≠stica de um gosto tradicional. Num s√≥ gesto, Marques da Silva captou a ess√™ncia da melhor arquitetura: ativar uma mem√≥ria para a reinterpretar no confronto com o novo.

Em 1932, apenas doze anos após a sua inauguração e acompanhando a decadência da atividade teatral na cidade, passou a chamar-se São João Cine, dedicando a maior parte da sua programação à exibição cinematográfica. O edifício foi esquecido e entrou numa fase de progressiva degradação. Adquirido pelo Estado, foi reinaugurado a 28 de novembro de 1992 com a designação oficial de Teatro Nacional São João. Restaurado, remodelado e reequipado entre 1993 e 1995, segundo projeto do arquiteto João Carreira, voltou a ter uma programação regular. O edifício readquiriu a sua dignidade arquitetónica, a cidade ganhou um projeto com personalidade artística própria.

Em 2006, a dilata√ß√£o das juntas do edif√≠cio come√ßou a provocar a queda de blocos de bet√£o da estrutura. Por quest√Ķes de seguran√ßa, foi rodeado por uma rede de prote√ß√£o e entaipado. A interven√ß√£o de restauro da envolvente exterior do edif√≠cio foi iniciada em maio de 2013 e conclu√≠da em setembro de 2014. Foram realizadas, entre outras, opera√ß√Ķes de limpeza, restauro e pintura das fachadas, refor√ßos estruturais, reabilita√ß√£o das coberturas e repara√ß√£o dos elementos ornamentais. A conclus√£o das obras devolve-lhe o antigo esplendor e vigor, pondo a descoberto um rosto do edif√≠cio h√° muito esquecido.

Restaurar √© colocar em pr√°tica um processo de repara√ß√£o, de resgate, de justi√ßa. Mas restaurar √© tamb√©m sin√≥nimo de reparar, de ‚Äúver com cuidado‚ÄĚ, de ‚Äúfixar a vista ou a aten√ß√£o‚ÄĚ. S√≥ quando reparamos come√ßamos e recome√ßamos a ver. Enfim reparado em 2014, o edif√≠cio do Teatro Nacional S√£o Jo√£o prossegue o seu caminho rumo a 2020, ano do centen√°rio. Como sempre, animado n√£o pela pretens√£o de continuar a fazer hist√≥ria, mas pela ambi√ß√£o de que no seu interior a hist√≥ria do teatro recomece todas as noites.

Obra de Restauro