Teatro Carlos Alberto

O Julgamento de UBU

de Simon Stephens + UBUs, de Alfred Jarry

dramaturgia e encenação Nuno M Cardoso

O Julgamento de UBU

Descrição

Em 1888, Alfred Jarry estreava o seu Rei Ubu, representado pelas Marionetas do Teatro das Phynan√ßas. Mais de cem anos depois, o dramaturgo brit√Ęnico Simon Stephens imaginou-lhe uma sequela, O Julgamento de Ubu (2010), pe√ßa agora representada pelo Teatro de Marionetas do Porto e encenada por Nuno M Cardoso. Numa primeira parte, √© pela arte da marioneta que o nonsense escatol√≥gico da saga ubuesca de Jarry nos √© devolvido, para depois, pela figura√ß√£o humana, sentar Ubu no banco dos r√©us de um Tribunal Penal Internacional e instigar um exame de consci√™ncia coletivo sobre o poder e os seus tr√Ęmites. ‚ÄúEste julgamento. Esta linguagem. √Č importante para voc√™s, n√£o √©?‚ÄĚ, lan√ßa-nos Ubu. No jogo de manipula√ß√£o e de escala das marionetas e das figuras humanas desenha-se uma s√°tira selvagem sobre o duelo entre a justi√ßa legal e a justi√ßa moral, que nos deixa face a face com a irredutibilidade de Ubu, s√≠mbolo dos ditadores contempor√Ęneos. ‚ÄúSabe o que se passa na minha cabe√ßa enquanto o ou√ßo falar de justi√ßa?‚ÄĚ

Créditos

de Simon Stephens + UBUs, de Alfred Jarry dramaturgia e encenação Nuno M Cardoso tradução O Julgamento de Ubu Nuno M Cardoso tradução UBUs Luísa Costa Gomes

apoio à dramaturgia Maria Inês Marques consultoria artística Ricardo Leite marionetes e adereços João Pedro Trindade direção técnica e desenho de luz Filipe Azevedo

interpretação Bernardo Gavina, Joana Petiz, Micaela Soares, Shirley Resende, Vítor Gomes (video) Maria Quintelas, Sérgio Sá Cunha, Tiago Sarmento

coprodução Teatro de Marionetas do Porto, Teatro Nacional São João

dur. aprox. 1:40 com intervalo M/12 anos