São João oferece récitas a profissionais de saúde, de proteção civil e “Amigos”

O Teatro Nacional São João agradece a quem está na linha da frente no combate à COVID-19 com apresentações gratuitas de Castro, de 2 a 4 de julho

A celebração do Centenário do Teatro São João ficou suspensa a meados de março, devido ao surto da COVID-19. A temporada 2020/2021 será antecipada um mês, começando em agosto, mas o TNSJ volta a ter programação artística já nos primeiros dias de julho, com três sessões da nova produção da Casa, encenada por Nuno Cardoso: Castro, de António Ferreira, um dos mais belos textos da dramaturgia de língua portuguesa.

“Vamos recomeçar com três récitas excecionais da Castro, dirigindo-as e oferecendo-as aos profissionais de saúde e da proteção civil que, de um modo muito especial, se têm empenhado na luta contra a pandemia, mas também aos “Amigos” do São João, aqueles espectadores mais fiéis e mais regulares, que durante estes meses foram privados do teatro que lhes pertence”, afirma o presidente do Conselho de Administração do TNSJ, Pedro Sobrado.

“É a primeira vez em 25 anos que o TNSJ tem uma programação ao longo de todo o mês de agosto. Em todo caso, entendemos que estavam reunidas todas as condições técnicas, logísticas, de segurança e proteção para, antes do início da temporada, e antes da nossa apresentação no Festival de Almada, apresentarmos aqui no São João a nossa nova produção, como gesto de reconhecimento pelo empenho na luta diária contra a pandemia”, acrescenta Pedro Sobrado.

Castro: Símbolo da descentralização e da companhia “quase” residente

Com encenação de Nuno Cardoso, Castro simboliza “o esforço do TNSJ no desenvolvimento de uma política de descentralização”, tendo a estreia ocorrido no Teatro Aveirense, no âmbito do arranque da programação do Centenário do São João. A tragédia renascentista portuguesa, de António Ferreira, que relata o drama histórico (e lendário) do amor vivido entre Pedro e Inês, é a primeira incursão do diretor artístico do TNSJ, Nuno Cardoso, na dramaturgia clássica portuguesa. A peça é também o primeiro desafio dos seis atores que fazem parte do elenco “quase” residente do São João: Afonso Santos, Joana Carvalho, João Melo, Maria Leite, Mário Santos e Rodrigo Santos. O espetáculo conta ainda com a participação de Margarida Carvalho e Pedro Frias.

As três apresentações estão agendadas para 2 e 3 de julho, às 21 horas, e para 4 de julho, às 19 horas, devendo os interessados efetuar reserva prévia através do contacto 223 401 951 (segunda a sexta-feira, entre as 10 e as 13 horas, e entre as 14 e as 18 horas) ou através do endereço eletrónico relacoespublicas@tnsj.pt.

As apresentações de Castro, no início de julho, no TNSJ, antecipam a apresentação do espetáculo no Festival de Almada, onde poderá ser visto entre 9 e 11 de julho. A peça regressa ao TNSJ, de 20 de agosto a 12 de setembro, já integrada na temporada 2020/2021.

_

fotografia Lusa