A linguagem como uma flecha, ou a emo莽茫o do pensamento

RENATA PORTAS*

Uma pequenina luz bruxuleante n茫o na dist芒ncia brilhando no extremo da estrada aqui no meio de n贸s e a multid茫o em volta une toute petite lumi猫re just a little light una piccola鈥 em todas as l铆nguas do mundo uma pequena luz bruxuleante brilhando incerta mas brilhando aqui no meio de n贸s entre o bafo quente da multid茫o a ventania dos cerros e a brisa dos mares e o sopro azedo dos que a n茫o v锚em s贸 a advinham e raivosamente assopram. Jorge de Sena 鈥 excerto de 鈥淯ma Pequenina Luz鈥

O ano 茅 2001, faz frio (recorro 脿 minha mem贸ria, e quase posso jurar, sem recorrer a calend谩rios, que era Inverno). O Porto atravessa a febre da Capital Europeia da Cultura, h谩 dias em que assisto a tr锚s espect谩culos. Um espect谩culo anunciado, uma tenda, um autocarro: 脿 hora marcada, estou na porta do Teatro Nacional S茫o Jo茫o, entramos no autocarro que nos levar谩 脿 tenda-casa-teatro de Fran莽ois Tanguy e do seu Th茅芒tre du Radeau. Alguns actores (prefiro o termo com茅dien, porque 茅 mais justo com a ideia de m谩scara, e reverso da face que o actor tem de refazer diante de n贸s, o pin贸quio ao contr谩rio) atravessam a arena despida, com adere莽os feitos em papel de jornal: uma coroa de rei pode ser um barco ou pode ser um chap茅u ou Lear enlouqueceu ou fomos n贸s que ensandecemos, mortos de seriedade? L铆nguas de fogo: o espect谩culo, sabia de antem茫o, era formado por um corpus diverso, fragmentos de literatura can贸nica, na sua l铆ngua-m茫e, original: a Divina Com茅dia em italiano, ou o Fausto em alem茫o. Se abrirmos o ouvido, h谩 qualquer coisa de percept铆vel em todas as l铆nguas, para l谩 dos dicion谩rios 鈥 maus 鈥 que transportamos em malfadadas viagens, onde todos falam globish, o ingl锚s de pacotilha, global. Bach e as suas cantatas em volume oper谩tico 鈥 Bach 茅 para mim a prova de Deus, um deus mel贸mano, fantasioso, sereno como uma brisa, gracioso ao irar-se, belo como uma gota de orvalho. A m煤sica atravessa o texto, o texto 鈥 numa l铆ngua estranha a n贸s, mas na sua l铆ngua mater 鈥 funde-se com a cantata, ouvimos. O som, a coisa primeira, o verbo de S茫o Jo茫o: ei-lo. De vez em quando, o espa莽o abre-se, expande-se, atrav茅s de tr锚s telas gigantes, carregadas por actores na sombra. Tanguy sabe que o teatro n茫o 茅 o lugar de mensagens, n茫o h谩 nada a enunciar, nada a defender. H谩 uma boca que se abre, um sopro, uma voz. E a imagem a construir-se, mutante, 脿 nossa frente, como as sinapses que formam o nosso pensamento. N茫o resisto a convocar Novarina:

Tinha usado a linguagem como um animal, tinha renunciado 脿 cabe莽a, renunciado a ser, pela l铆ngua, o mestre das coisas. Tinha proibido a si pr贸prio nomear o que quer que fosse. Para ir 脿s coisas, para descer, ver mais abaixo. Tinha aceitado ver coisas sem ter palavras para as designar. Tinha renunciado a nomear. At茅 que todos os objectos em frente estivessem a igual dist芒ncia, sem intelig锚ncia, sem apreens茫o, sem compreens茫o, sem ac莽茫o poss铆vel. O mundo era-lhe incompreens铆vel porque tinha renunciado a nome谩-lo, a segur谩-lo na m茫o. Ofereceu a l铆ngua 脿s coisas. J谩 n茫o estabelecia diferen莽a entre o mundo e o pensamento. Estava rodeado de objectos interiores e em parte alguma do mundo; ele pr贸prio estava inteiramente fora. (excerto de Teatro dos Ouvidos, tradu莽茫o de 脗ngela Marques, 2006)

Les Cantates foi um espect谩culo-revela莽茫o. Uma liturgia n茫o sagrada, um voo de palavras, a apari莽茫o do pensamento. Com Tanguy, disse definitivamente adeus 脿 doen莽a do sentido, para abra莽ar o teatro como o lugar do som e do n茫o-sentido: eco, sombra, m煤sica, fantasmagoria, m茫os que tra莽am rastros, corpos enigm谩ticos. O teatro 茅 o lugar do mist茅rio, do porvir, do que n茫o conseguimos nomear. Ali, numa tenda fria, a mesma tenda que a companhia utiliza em Fran莽a (pode levar-se um teatro 脿s costas?); em comunh茫o com duas dezenas de pessoas, fui interpelada e assombrada por Goethe, Dante, Bach, Nietzsche e tantos outros. Nunca mais deixei de perseguir essa piccola luz, como diz Jorge de Sena.

*Encenadora, atriz.

_

2-7 Outubro 2001
Queim贸dromo

Les Cantates

cria莽茫o e encena莽茫o Fran莽ois Tanguy
coprodu莽茫o Th茅芒tre du Radeau, Th茅芒tre National de Bretagne, Od茅on-Th茅芒tre de l鈥橢urope | Festival PoNTI

_

in O Elogio do Espectador: 100 espet谩culos, 100 testemunhos, 100 fotografias Cadernos do Centen谩rio | 1
_

fotografia Jo茫o Tuna