Teatro S√£o Jo√£o

talvez... monsanto

um espet√°culo de Ricardo Pais

_

Subcut√Ęneo ‚Äď Associa√ß√£o Cultural

talvez... monsanto

Descrição

talvez‚Ķ Monsanto regressa ao palco que o viu nascer. Um espet√°culo de teatro-m√ļsica-palavra que entrela√ßa uma pluralidade de materiais e a transforma numa singularidade. A m√ļsica tradicional da Beira Alta e o fado, o campo e a cidade, o adufe e a guitarra portuguesa, os cantos religiosos e a poesia de Ruy Belo, o granito e o vento, o ancestral e o moderno, a inf√Ęncia e a morte, a roda e a cruz. Nunca vimos ou ouvimos m√ļsicas e palavras assim. Como √© que tudo isto acontece? Talvez a palavra-chave para acedermos a talvez‚Ķ Monsanto seja ‚Äúcoabita√ß√£o‚ÄĚ, a arte de transformar a estranheza em afinidade, o sortil√©gio do encontro da raiz de uma coisa com a raiz de outra. talvez‚Ķ Monsanto √© um dos cumes da √©tica e da est√©tica ricardopaisianas. Talvez nunca como aqui Ricardo Pais tenha constru√≠do um lugar t√£o sensual e austero, t√£o capaz de introduzir sil√™ncio e beleza no mundo.

Créditos

talvez… Monsanto um espetáculo de Ricardo Pais

M√ļsica Tradicional Portuguesa poemas Ruy Belo dire√ß√£o musical Miguel Amaral

cenografia João Mendes Ribeiro figurinos Bernardo Monteiro vídeo Luís Porto desenho de luz Nuno Meira, Berto Pinheiro desenho de som Joel Azevedo assistência de encenação Simão do Vale Africano coordenação de produção Hélder Sousa assistência de produção Ruana Carolina

com Miguel Amaral (guitarra portuguesa), Miguel Xavier (voz), Rui Silva (percussão), André Teixeira (guitarra), Filipe Teixeira (contrabaixo); Adufeiras de Monsanto: Amélia Mendonça, Laura Pedro, Adosinda Xavier, Inês França; Luísa Cruz, Simão do Vale Africano, João Oliveira (atores); Deeogo Oliveira (bailarino)

coprodu√ß√£o Subcut√Ęneo ‚Äď Associa√ß√£o Cultural, Teatro Nacional S√£o Jo√£o apoio Turismo Centro Portugal, Grupo Visabeira

estreia 3 Dez 2020 Teatro S√£o Jo√£o (Porto) dur. aprox. 1:20 M/12 anos